sexta-feira, junho 24, 2005

CANÇÃO DO NOVO DIA

Pinte janelas em tua vida. Deixe-as abertas pro vento entrar. Vento quebra muros e armaduras de isolar. Caia então do outro lado, em si, num qualquer paraíso deixado escapar e avance na Terra do Sempre. Colha flores num buquê só pra você e mande entregar num lindo branco cartão - Espaço aberto pra imaginar. O toque é dado pra se dançar em ritmo seu. O sonho é colorido e com trilha sonora. O enredo se faz com o que Deus lhe deu. Não se preocupe em torná-lo real, que o mistério vibra em todo local. Lua encanta mesmo de uivar e borboleta é metamorfose, basta esperar. Amor não é coisa de novela, mas mudar o canal faz parte. Há mais de três cores na aquarela. Pintar o sete já é arte. Verso não requer métrica. Pesadelo é aritmética. Mude o figurino, tire os sapatos, caia na chuva pra se molhar. Morra um pouquinho pra ter o gostinho de ressuscitar. Não somos anjos de gaiola. Meta apenas é céu. O resto é esmola. Vire as páginas, vá direto ao fim da história. Happy end é só o começo e a ordem dos fatores não altera o produto. Nada ainda é Tudo. Você é quem dita a verdade. Vontade nunca é demais. Prazer que se preza arde. Qualquer carinho faz bem. Não vale olhar para trás. Quem chegar por último é mulher do padre. Amém. Não há fronteiras nesta cidade. Brincadeira rara é felicidade.
(Marcos França)

Um comentário:

mlle. bragattô disse...

nossa! quase um mantra.

beijo beijo.